quarta-feira, 13 de junho de 2012

Santo António de Lisboa...
Franciscano

Santo António era português, nasceu em Lisboa a 15 de Agosto de 1195 e o seu nome de batismo era Fernando de Bulhões. Filho de Maria Teresa de Taveiro e Martinho de Bulhões conheceu a Fé Cristã na casa rica e nobre, em que morava. Fernando estudou na Escola dos Cónegos da Catedral de Lisboa, onde teve uma profunda educação religiosa. Aos 15 anos decidiu ser padre e depois dessa decisão, teve 10 anos de estudos. Em Coimbra estudou teologia, foi ordenado Sacerdote (Congregação dos Agostinianos) e especializou-se, mais tarde, nas Sagradas Escrituras, de que tanto gostava.
Um certo dia o então Padre Fernando vê bater à porta do seu convento cinco frades franciscanos que se estavam a preparar na oração e na penitência para uma acção missionária em Marrocos. Durante esse tempo, manteve com eles uma relação de amizade e admiração. Quando os frades resolveram viajar para a África, despediram-se do Padre Fernando alegres e partiram com os pés descalços, que retratavam a vida pobre e singela, alegre e cheia de simplicidade e fé que levavam. Fernando de Bulhões viu então o quanto a sua vida era diferente daquela. Mediocridade, comodismo e distância dos problemas do povo cristão e não cristãos foram os principais problemas percebidos por ele.
Em 1220, recebeu a notícia de que os cinco missionários franciscanos que tinham ido a África, estavam de regresso... mortos! Após cruéis sofrimentos, tinham sido assassinados por pregarem o Evangelho em terras da África. Ao ver o exemplo dos cinco missionários, decidiu então tornar-se frei. Vestiu o hábito franciscano, deixou o nome de Fernando e adoptou o de António.
Após uma frustada tentativa de viajar a Marrocos, em companhia do Frei Filipino, foi forçado a aportar na Sicília, em 1221. Pensa-se que no mesmo ano, encontrou São Francisco em Assis, no famoso Capítulo das Esteiras.
Santo António morreu em 13 de junho de 1231, em Pádua, aos 36 anos de idade e com uma vida de intensa pregação da Palavra de Deus por toda a Itália. Foi sepultado na igrejinha do Convento de Santa Maria de Torricelle. Um mês depois, os habitantes de Pádua pediram ao Papa Gregório IX que elevasse António às honras do altar. Reconhecidas a doutrina e a Santidade de António, foi canonizado antes de completar-se 1 ano de sua morte (11 meses). Em 16 de janeiro de 1946, o Papa Pio XII proclama Santo António, Doutor da Igreja, com o título de Doutor Evangélico.

Sem comentários: