quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Espírito de Assis - Juntos pela PAZ


27 de outubro de 1986, João Paulo II realizou um grande sonho: convidou os representantes das religiões do mundo a Assis, para que uma única canção de paz, provenientes de muitos corações e em muitas línguas, pudesse ser enviada ao Deus único. Este convite foi aceite por 70 representantes das principais religiões. Eles ofereceram a esperança de um mundo diferente: renovado, profundamente fraterno e verdadeiramente humano. O evento em si trouxe uma importante mensagem: que o desejo de paz é compartilhado por todas as pessoas de boa vontade, mas tendo em conta a situação do mundo e as relações entre os povos, a paz verdadeira só pode ser alcançada através de uma intervenção divina.

A reunião foi de orações. A oração foi desenvolvida no contexto espiritual de cada uma das religiões ali presentes. Os participantes foram convidados a tocar sua interioridade na liberdade, levando a oração de toda a humanidade a Deus. Eles reconheceram que os seres humanos por si só não são capazes de alcançar a paz que almejam.

Parece que o clima de fraternidade universal que paira sobre a cidade de São Francisco tocou os corações da pessoas, provenientes das mais diversas origens. Esta experiência foi nomeada como o Espírito de Assis, e em 1987 na mensagem do Dia Mundial da Paz também foi chamado de " A Lógica de Assis". Durante a primeira reunião, em frente à capela da Porciúncula, João Paulo II disse que escolheu “a cidade de Assis como local para este dia de oração, devido ao significado especial do santo venerado aqui, São Francisco, que é conhecido por muitos em todo o planeta como um símbolo de paz, reconciliação e fraternidade. " Desta maneira, o Papa decidiu promover esta iniciativa em nome de São Francisco, o homem que derruba barreiras, e que é irmão de todos.

A comunidade de Santo Egídio, envolvidos na iniciativa desde o seu início, tem organizado encontros semelhantes a cada ano, em cidades europeias e mediterrânicas. Em Janeiro de 1993, o evento voltou a Assis, durante o tempo da guerra dos Balcãs. João Paulo II, diante da violência extrema e da incapacidade dos países da ex-Jugoslávia de fazer a paz, afirmou que "só na aceitação mútua do outro e no consequente respeito mútuo, fortalecido pelo amor, é que reside o segredo para uma humanidade finalmente reconciliada."

Quando os planos para a comemoração de 2002 tiveram início, o Papa, mais uma vez, convidou os líderes religiosos a ir a Assis. O convite veio quando as Torres Gémeas ainda fumegavam e bombas estouravam em Cabul. A situação mostrava ao mundo que as forças destrutivas do ódio e do terrorismo podiam explodir em qualquer canto do mundo. O Papa pediu às religiões do mundo que se transformassem em instrumentos de paz, pois o ódio e a violência não geram nada além de mais ódio e violência.

Por ocasião do vigésimo aniversário do Espírito de Assis, em 2006, Bento XVI sublinhou a oportunidade da iniciativa dizendo que, embora o mundo tenha mudado, existe ainda uma grande necessidade de buscar caminhos para construir a paz, observando que "... o terceiro milénio começou com cenas de violência e terrorismo que não mostram nenhum sinal de abrandamento”. Embora pareça que às vezes os conflitos religiosos dão combustível aos conflitos ao invés de trabalhar para resolvê-los, o Papa afirma: "Quando o sentido religioso alcança a maturidade, dá origem a uma percepção naquele que crê de que a fé em Deus, Criador do universo e Pai de todos, deve estimular as relações de fraternidade universal entre os seres humanos. De facto, testemunhos do vínculo estreito que existe entre a relação com Deus e a ética do amor são registados em todas as grandes tradições religiosas ".

Em 2011 vamos comemorar o 25° aniversário do primeiro encontro do Espírito de Assis. Essa comemoração será realizada nos locais originais, na cidade de Assis. Uma mensagem de paz é tão necessária hoje quanto o era há 25 anos atrás, juntamente com um compromisso concreto de construção da paz em nosso mundo. Como Bento XVI afirmou há cinco anos atrás, o mundo mudou desde a primeira comemoração. Às religiões não é pedido apenas o diálogo, mas sim que esse diálogo possa alcançar a todas as pessoas, sejam elas crentes ou não. Mais ainda, somos desafiados a ir para além da humanidade, porque a violência chega também à criação de Deus. uma consciência crescente em todas as tradições religiosas que o respeito e as relações pacíficas devem ser cultivadas entre todas as pessoas e, da mesma forma, entre as pessoas e todas as criaturas.

Foi somente através de sua forte relação com o Pai que São Francisco foi capaz de ver todas as pessoas e todas as criaturas como irmãos e irmãs. O mesmo espírito da expressãoEspírito de Assis” ajudar-nos-á a envolver-nos activamente na promoção da paz entre os seres humanos e ainda ir mais além.


Seremos fortalecidos se nos unirmos no Espírito de Assis e rezarmos, como as nossas respectivas tradições religiosas nos ensinam, para que nos comprometamos com acções concretas que nos permitam enfrentar juntos as ameaças à paz e ao meio ambiente no nosso mundo de hoje.

Sem comentários: